Youtube Twitter Facebook Instagram

Quinta-Feira - 23.05.2019

De hoje a sexta-feira encoberto com chuva e vento forte em SC


MÍNIMA: 15º - MÁXIMA: 20º

Diário Rio do Peixe

Quinta-Feira - 23.05.2019

De hoje a sexta-feira encoberto com chuva e vento forte em SC


MÍNIMA: 15º - MÁXIMA: 20º

Colunistas

A Epagri, a Extensão e o papel do Extensionista rural e da pesca

Mas o que significa mesmo ser Extensionista Rural?

18/12/2018 - 16:17:37
Charles Seidel

A maioria da população adulta catarinense conhece a Epagri, mas talvez o seu maior trunfo de divulgação hoje é o setor de previsão do tempo, que fica no Centro de Informações Hidrometeorológicas – CIRAM/Epagri. Eu que tive o privilégio de ser o primeiro coordenador técnico deste Centro, que na época chamava-se CLIMERH – Centro Integrado de Meterorologia e Recursos Hídricos de SC, na época, isso no ano de 1994-95, sabíamos do importante papel desse centro para a informação meteorológica e a divulgação da empresa como um todo.

Hoje a Epagri está na rede de internet disponibilizando todas as informações de seu trabalho, quer seja da meteorologia/hidrologia, quer seja na pesquisa ou na extensão rural. Eu já tive o privilégio de trabalhar nestes 3 setores, e sei da importância de cada um deles. Ou seja, todos se complementam.

O papel da pesquisa é de, através de experimentos voltados as principais culturas de nosso estado, buscar alternativas mais viáveis economicamente para os produtores. Quer seja com melhoramento de plantas, uso e conservação do solo, controle integrado de pragas e doenças, produção de leite a base de pasto, aquacultura, etc. Já extensão rural é que faz a frente, que trata diretamente com agricultor as questões, os problemas do dia a dia.

Mas o que significa mesmo ser Extensionista Rural?

Na definição da Associação Brasileira de Crédito e Assistência Rural  - ABCAR (criada em 1956 e sucedida pela EMBRATER em 1970), “Extensão Rural é um processo cooperativo, baseado em princípios educacionais, que tem por finalidade levar, diretamente, aos adultos e jovens do meio rural, ensinamentos sobre a agricultura, pecuária e economia doméstica, visando modificar hábitos e atitudes da família, nos aspectos técnico, econômico e social, possibilitando-lhe maior produção e melhorar a produtividade , elevando-lhe a renda e melhorando seu nível de vida”.

“A extensão rural, de que se fala, não dá, não vende, não empresta às famílias rurais com quem trabalha, mas, sim, educa-as e, delas recebe educação mediante troca de informações. Trata-se, portanto, de verdadeiro intercâmbio de culturas.” (Glauco Olinger – 2010)

De meados do século XX até agora, algumas palavras/ideias mudaram, algumas foram suprimidas e outras acrescentadas, mas nada muda o cerne do nosso trabalho. Extensionista Rural é um educador plural. Independente da formação acadêmica que define sua atuação, precisa conhecer princípios de psicologia, pedagogia, economia, direito, agronomia, saúde (animal e humana), nutrição, história, sociologia, biologia... Enfim, tem que ser Gente que goste da área, e tenha uma conhecimento bem amplo para poder ajudar a solucionar os problemas enfrentados pelo agricultor.

Particularmente, eu tenho 33 anos de atuação na empresa, dos quais, 12 atuando na Extensão, posso dizer que todos os setores são apaixonantes e necessários, porém eu, tenho um carinho especial com a extensão rural, por achar que o objetivo maior da empresa é proporcionar aos agricultores melhores condições de trabalho. Hoje Santa Catarina é conhecida nacionalmente pelo seu trabalho junto aos agricultores. Nós temos escritórios em 293 municípios, somente dois não tem, por não terem atividade agrícola/pesqueira, ou de pouca relevância, que são atendidos por escritórios de municípios próximos.

Um fato interessante da extensão rural, é que antigamente os extensionistas vinham com respostas prontas, reducionistas, do que fazer para resolver determinado problema. Hoje temos que ver a questão mais de cima, pois uma doença/praga por exemplo, pode ser causada por vários fatores, e não somente pela presença do agente patogênico. Portanto, é prudente analisar vários fatores antes de dar o diagnóstico.  Muitas vezes até ouvimos algumas piadinhas como: - mas o “Ingronimo” nem sabe o que passar na planta pra ela melhorar?” Então já sai rotulado, e dizem que ele não sabe nada, e  isso não é verdade...Para ser extensionista vc tem que estar sempre bem informado. Mas é óbvio, que com toda essa facilidade de acesso às informações pela internet, muitas vezes o agricultor, pode ficar sabendo de coisas interessantes que o técnico não teve tempo de saber. Outro ponto, é que nem sempre o que vemos na internet ou mesmo na TV, serve para a nossa realidade. Por isso vem o lado analista e economista do extencionista, para fazer a sua análise da informação.

Então com o tempo, nós atuamos mais como analistas de informações, filtramos e repassamos aos produtores, de uma forma mais entendível e aplicável. Todo extensionista tem que ter um pouco de pesquisador, sociólogo, psicólogo, médico, nutricionista, químico, físico, matemático, arquiteto, sanitarista  e economista. Ou seja, ter conhecimento em várias áreas, caso contrário, poderá ter sua capacidade técnica colocada em xeque.

Finalizando, queria dizer que a Epagri é hoje considerada a melhor empresa de Pesquisa e Extensão Rural do Brasil. Então, temos a certeza que o novo governo sabe disso, e que o novo Secretário Estadual da Agricultura, Sr. Ricardo de Gouveia, deverá apoiar essa estrutura para que possamos cada vez mais apoiar nossos queridos agricultores de SC, especialmente os do Alto Vale do Rio do Peixe. Boas Festas e excelente 2019 a todos.

Charles Seidel

Eng. Agrônomo, Prof. Universitário. M.Sc. Engª Agrícola. Gestão da água, climatologia e agroeocologia

Espalhe essa coluna:

© 2011 - 2019. Todos os direito reservados a Editora Rio do Peixe.