Youtube Twitter Facebook Instagram

Quinta-Feira - 27.07.2017

Tarde: Ensolarado Noite: Céu estrelado REGIÃO: MEIO OESTE


MÍNIMA: 8º - MÁXIMA: 27º

Diário Rio do Peixe

Quinta-Feira - 27.07.2017

Tarde: Ensolarado Noite: Céu estrelado REGIÃO: MEIO OESTE


MÍNIMA: 8º - MÁXIMA: 27º

Colunistas

CASAN deve R$ 2 milhões para prefeitura

“A perseverança não é uma longa corrida; ela é muitas corridas curtas, uma depois da outra” Walter Elliott

09/07/2015 - 13:45:27
Osni Ribeiro Mello

Durante a apresentação do plano de investimentos da CASAN em Caçador, para os vereadores, o presidente da Câmara de Caçador, Flávio Henrique dos Santos (PT), levantou uma questão interessante sobre o processo hoje.

  Questionou por que o repasse de 15% do valor arrecadado pela empresa não está sendo efetuado na conta do Fundo Municipal de Saneamento (Funsam). E lembrou que o repasse foi acertado dentro do plano de Gestão Compartilhada e já soma mais de R$ 2 milhões em recursos que não foram pagos pela empresa.

  O assunto nos traz uma reflexão. Se a CASAN não é capaz de honrar um compromisso assumido, vai honrar um compromisso que está prestes a fazer. Os últimos 30 anos estão ai para nos ensinar como trabalha esta empresa.

  E não adianta vir com a desculpa que o contrato de gestão compartilhada já expirou. Para o bem da comunidade, e creio que todo juiz vai concordar com isso, até que se firme um novo contrato a gestão continua valendo, senão por força de contrato, por responsabilidade das partes.

  Desta forma não precisaria nem informar que os investimentos realizados nos últimos meses - pelo menos até que a CASAN repassou os recursos – foram em melhorias na rede, compra de equipamentos e outros. Investimentos que deviam ser de responsabilidade da empresa.

  Não sei quanto tempo vai durar este processo para assinatura de um novo contrato. Gostaria de estar errado e ele fosse curto. Mas estas questões costumam se alongar e quem paga a conta é o cidadão. Desta forma, antes de qualquer medida, a prefeitura devia assinar um contrato aditivo na gestão compartilhada e exigir o repasse dos 15%. Pelo menos isso.

CASAN prioriza cobrança

  Duas das quatro propostas de investimento da CASAN para Caçador beneficiam diretamente a cobrança dos serviços. Ou seja, a empresa vai realizar a substituição de hidrômetros e a instalação de macromedidores, de forma imediata, e só depois vai investir na ampliação da Estação de Tratamento de Água (ETA) e na instalação de um novo sistema de captação de água no Rio do Peixe.

Fofoqueiro

Uma ave me contou que a nota crítica que chegou ao colunista Moacir Pereira, afirmando que o secretário Regional Imar Rocha (PMDB) desancou o governo Colombo “Temos oito escolas caindo aos pedaços, estradas abandonadas e hospital sem parceria”, tem o dedo de um assessor parlamentar. O referido é muito ligado ao deputado do PSDB Marcos Vieira e também ao colunista.

Pensata

  Os capitalistas tupiniquins estão sempre criticando o governo por se intrometer demais na economia. Mas ao primeiro sinal de crise correm para a barra da saia da viúva chorar as pitangas.

República de Chapecó

  O jantar da imprensa com o ex-deputado Reno Caramori (PP) na semana passada rendeu algumas certezas. A Republica de Chapecó, encabeçada pelo triunvirato: Gelson Merísio, João Rodrigues e Antônio Gavazzoni, todos do PSD, continua firme no seu propósito de fazer um político do Oeste o próximo governador do estado. Reno falou abertamente que aceitou o convite do deputado Gelson Merísio para trabalhar, por causa deste projeto, que viria a beneficiar o Oeste e por consequência Caçador e região.

Novo telefone PA

  A Prefeitura Municipal de Caçador informa que foram efetuadas alterações nos números de telefones do PA e da Secretaria da Saúde. A medida se dá em função da adoção da telefonia digital em alguns setores e Secretarias da Prefeitura. A Secretaria Municipal de Educação passa a atender pelos números (49)3561 4900 e (49) 3561 4901. Outra alteração de número de telefone que também foi adotada é no Pronto Atendimento (PA), no antigo Hospital Jonas Ramos, em que o número passou a ser (49) 3561 7200. 

Credibilidade

  O presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha (PMDB) não pode mais utilizar a desculpa de que a opinião pública está a seu favor, não na questão da doação de empresas privadas para campanhas eleitorais. Pesquisa realizada pela OAB indicou que 74% dos eleitores são contrários às doações feitas por empresas privadas para campanhas eleitorais. Cunha também não pode criticar a OAB, como tem feito, por que a mesma pesquisa apontou que a confiança na OAB cresceu 14 pontos no ano, chegando a 139 pontos na sondagem efetuada. E outra pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha, onde foram apresentadas 12 instituições, a OAB ficou atrás apenas das Forças Armadas no quesito credibilidade. O Congresso Nacional ficou com a penúltima colocação.

Neoliberalismo a inglesa

  Lendo o excelente site Tijolaço, do jornalista Fernando Brito, que assim como eu tem como mestre inspirador Leonel Brizola, descobri uma verdade incomoda para os neoliberais. Aqueles que defendem o estado mínimo e menos gastos públicos, quando se trata de cortar dos trabalhadores, dos aposentados e dos investimentos públicos. De acordo com o jornal Britânico The Guardian os contribuintes do Reino Unido - que vem a ser a economia logo acima da nossa - estão entregando às empresas 93 bilhões de libras (R$ 477 bilhões) por ano na forma de “subvenções, subsídios e isenções fiscais”. E que o montante representa mais do que as empresas recolhem de impostos. No exercício de 2012-13, o governo gastou 58.2 bilhões de libras em subsídios, subvenções e incentivos fiscais corporativos e recolheu em tributos das sociedades beneficiadas apenas 41.3 bilhões de libras, diz o jornal. Agora a cereja do bolo. Sabe quando essa política começou a se intensificar: ganha um doce quem disse com a crise de 2008.

Coincidências

  Não é interessante. No dia que os representantes dos países que formam os BRICs, Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul estão na Rússia para assinar a criação do Banco de Desenvolvimento dos BRICs, a bolsa de Nova Yorque tem um piripaque e a bolsa chinesa cai 5%. 

Osni Ribeiro Mello

Olá, eu sou Osni Ribeiro Mello, jornalista, administrador de empresas e Engenheiro Civil. Depois de ter passado pelos jornais: Gazeta Sul, Folha da Cidade e Informe e por todas as editorias. Atividades que consumiram 15 anos de minha vida e me deram muita experiência, resolvi que muito mais que dar a notícia eu apontaria os erros e as soluções. Pronto, virei colunista e instantaneamente odiado por escrever demais. De qualquer forma o portal www.diarioriodopeixe.com.br e o Jornal Extra resolveram apostar numa coluna de informações políticas e aqui estou tentando consertar o mundo e levando as notícias com uma pitada de humor e senso critico. Também mantenho o osnirmello.blogspot.com.br, blog onde divulgo as ideias que podem mudar o nosso mundo, ou não.

Espalhe essa coluna:

© 2011 - 2017. Todos os direito reservados a Editora Rio do Peixe.