Youtube Twitter Facebook Instagram

Terça-Feira - 19.02.2019

Sol e temperatura em elevação nos próximos dias


MÍNIMA: 14º - MÁXIMA: 26º

Diário Rio do Peixe

Terça-Feira - 19.02.2019

Sol e temperatura em elevação nos próximos dias


MÍNIMA: 14º - MÁXIMA: 26º

Colunistas

Defender a Vida é Missão Cristã

Que o mês de outubro desperte em nós essa sensibilidade humana

01/10/2014 - 03:40:59
Dom Frei Severino Clasen

  Estamos no mês missionário. A missão existe para proteger a vida. Iniciamos destacando a Semana da Vida, entre os dias 01 e 07 de outubro e o Dia do Nascituro (aquela criatura que ainda não nasceu, mas já é uma vida), dia 08 de outubro. A Igreja tem um grande zelo pela vida, por isso, procura todas as formas possíveis de proteger e defender a vida. A vida tem sua origem na fecundação e vai até o declínio natural. Quem interrompe a vida, peca gravemente porque invadiu a privacidade divina. A grande ação da Igreja é cuidar dessa vida que nasce, vive e chega ao seu término no mundo para desabrochar na eternidade.

  Conhecemos grandes pessoas que defenderam a vida com heroísmo. Vejamos o que Paulo enfrentou em Damasco no início de sua vida missionária: “Saulo ficou alguns dias com os discípulos em Damasco. E logo começou a proclamar nas sinagogas que Jesus é o Filho de Deus. Todos os que ouviam ficavam confusos e diziam: Não é este que devastava em Jerusalém os que invocavam este Nome? E não veio aqui justamente para prendê-los e levá-los aos chefes dos sacerdotes? Saulo, porém, ia ganhando forças e, afirmando que Jesus é o Messias, deixava confusos os judeus que moravam em Damasco” (At 9,19-22). Eis o preço da conversão. Mudar de comportamento é complicado na vida das pessoas. Acostumamo-nos ao ritmo do cotidiano e alguma mudança confunde a vida. Para São Paulo não foi diferente.

  Somos chamados a fazer a diferença para equilibrar as relações seja na família, na comunidade de fé ou na sociedade, fortalecendo nossa participação nos Grupos de Reflexão, no estudo e meditação da Sagrada Escritura, assim percebemos que muita coisa pode ser diferente e que pode trazer melhorias para a vida. Quando se desperta maior sensibilidade, a vida é defendida em todas as suas etapas. Eis a grande missão que todos os batizados devem assumir, começando em casa e consigo mesmo. Cuidar de si para despertar a sensibilidade para com todas as criaturas. Em todo lugar onde estamos e onde atuamos, é espaço para missionar, ou seja, agir em nome de Jesus para que Seu nome cresça e desperte o amor entre as pessoas.

  Gostar de cuidar e viver atento conforme as necessidades de cada pessoa faz nascer uma nova sociedade onde Jesus Cristo é conhecido e seguido. “Nesta peregrinação evangelizadora, não faltam as fases de aridez, de ocultação e até de certo cansaço, como aquelas que viveu Maria, em Nazaré, enquanto Jesus crescia: Este é o início do Evangelho, isto é, da Boa Nova, da jubilosa nova. Não é difícil, porém, perceber naquele início um particular aperto do coração, unido a uma espécie de “noite da fé”, para usar as palavras de São João da Cruz, como que um “véu”, através do qual é forçoso aproximar-se do Invisível e viver na intimidade com o mistério. Foi deste modo, efetivamente, que Maria, durante muitos anos, permaneceu na intimidade com o mistério do seu Filho, e avançou no seu itinerário de fé” (AE 287). Eis mais um modelo de cuidado e decisão madura para sermos missionários, a partir da nossa família e da conversão pessoal.

  Que o mês de outubro desperte em nós essa sensibilidade humana. Busquemos no exemplo de tantas mulheres e homens corretos, seguir uma nova maneira de ser pessoa humana, como cristãos autênticos para renovar a face da terra.

Dom Frei Severino Clasen

Ele nasceu em 1954, em Petrolândia (SC), foi ordenado padre em 1982 e bispo em 2005. Estudou Filosofia e Teologia em Petrópolis (RJ). Tem pós-graduação em Administração para a Organização do Terceiro Setor na Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP). Além disso, foi coordenador do Departamento de Santuários da Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil e fez parte do Conselho Diretor do Serviço Franciscano de Solidariedade (Sefras), do Convento de São Francisco, em São Paulo.

Na 49ª Assembleia Geral da CNBB, dom Severino foi eleito presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato, com um mandato de quatro anos.

Espalhe essa coluna:

© 2011 - 2019. Todos os direito reservados a Editora Rio do Peixe.