Youtube Twitter Facebook Instagram

Segunda-Feira - 18.12.2017

Manhã: Sol com algumas nuvens Tarde: Pancada de chuva isolada


MÍNIMA: 17º - MÁXIMA: 28º

Diário Rio do Peixe

Segunda-Feira - 18.12.2017

Manhã: Sol com algumas nuvens Tarde: Pancada de chuva isolada


MÍNIMA: 17º - MÁXIMA: 28º

RIO GRANDE DO SUL

Acusado de assalto em Caçador cumpria pena com nome falso no Rio Grande do Sul

Homem tinha quatro mandados de prisão e ainda possuía perfil em rede social

07/12/2017 - 01:49:48 - Atualizada em 08/12/2017 - 01:19:35
ZH

A Polícia Civil descobriu um erro que se estendia há anos envolvendo um preso identificado como Cristiano Pereira – investigado por assaltos, homicídio e posse de munição de fuzil, entre outros casos. Na verdade, tratava-se de Alexandre Julianote, 32 anos, foragido de Santa Catarina e do Paraná, mas que também cometeu crimes no Rio Grande do Sul. 

Segundo a polícia, ele escondeu que estava sendo procurado em outros Estados para obter mais facilmente – como conseguiu – benefícios de soltura. Até mesmo um certificado prisional foi emitido para ele, mas com nome de uma pessoa e digitais de outra. 

Segundo a Polícia, em 2004 ele foi acusado em Caçador 

De acordo com o delegado que investiga o caso, Ivanir Caliari, de Três Coroas, no Vale do Paranhana, Julianote veio para o Rio Grande do Sul na década passada, já como procurado por ter dois mandados de prisão emitidos contra ele. No Estado, teria cometido mais quatro roubos, dois deles em Três Coroas – foi indiciado em todos, mas recebeu benefícios de soltura.


Ao cometer um novo crime, em 2008, se identificou como sendo Cristiano Pereira, usando uma certidão de nascimento. Cristiano, na verdade, é paranaense e marido de uma prima do suspeito. Desde então, Julianote obteve novos benefícios e, segundo a polícia, passou a cometer vários crimes usando a identidade falsa.

– Isso ocorreu porque ele tinha suas digitais vinculadas a Cristiano. Foi criado até um registro criminal com esses dados obtidos de forma errada – revela Caliari.

Julianote foi preso em maio, em Porto Alegre, com um veículo clonado e portando munição de fuzil e miguelitos. O delegado descobriu a farsa da identidade no mês passado.

Caliari já encaminhou notificações e documentos para várias autoridades, com o objetivo de regularizar a situação do preso e unificar todos os mandados de prisão em relação aos crimes que teriam sido cometidos por ele. 



© 2011 - 2017. Todos os direito reservados a Editora Rio do Peixe.