Youtube Twitter Facebook Instagram

Quarta-Feira - 20.03.2019

Início do Outono às 18h58min (Hemisfério Sul)


MÍNIMA: 16º - MÁXIMA: 26º

Diário Rio do Peixe

Quarta-Feira - 20.03.2019

Início do Outono às 18h58min (Hemisfério Sul)


MÍNIMA: 16º - MÁXIMA: 26º

Colunistas

Pedra no bolso

PENSATA Afirmar que um professor armado pode evitar a ação de atiradores é mesmo que afirmar que se todos os países tivessem uma bomba atômica, não haveriam guerras.

15/03/2019 - 13:24:47
Osni Ribeiro Mello

Pedra no barro

O vereador Moacir D’Agostini (DEM) criticou a forma com está sendo realizada a manutenção das estradas do interior. O vereador D’Agostini disse que jogar pedra brita em cima do barro e como jogar sal na água. O vereador observou que uma carga de pedra custa mil reais e estão sendo consumidas cerca de 150 cargas por mês e um rolo compactador custa R$ 300 mil. “Mas se você vai lá e pega o cascalho que é gratuito e coloca na estrada e passa o rolo compressor, dura cerca de seis meses e custa menos”, afirmou o vereador, acrescentando que assim o dinheiro do povo se esvai. Mas o que acontecendo hoje é que um rolo está no concerto e o outro ainda em licitação. O vereador Ricardo Barbosa disse que o município tem cerca de 1.600 Km de estradas de terra e o custo de manutenção e de aproximadamente R$ 150 mil mensais.

Pedra no bolso

O vereador Marcio Farrapo (MDB) questionou se as pedras britas estão indo fora ou para o bolso de alguém. O vereador disse que formulou um pedido de informações em conjunto com o vereador Moacir D’Agostini, para estudar o pagamento das empresas que fornecem pedras, que sempre recebem primeiro. O vereador afirmou ainda que no ano passado foi aprovado projeto do deputado estadual Valdir Cobalchini (MDB) desburocratizando o uso das cascalheiras. Para o vereador na cidade ainda faz sentido utilizar pedra brita, mas no interior não faz sentido. “Fica esta pergunta: Fora ou no bolso de alguém”.

Instituto Federal apresenta estrutura na Câmara de Vereadores 

A estrutura do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), campus Caçador, foi destacada nesta terça-feira (12) durante o uso da Tribuna Livre na Câmara de Vereadores. O espaço foi utilizado pelo diretor-geral da unidade, Eduardo Nascimento Pires, após pedido de informação feito pela Vereadora Sirley Ceccatto (PSDB) no mês passado, solicitando esclarecimentos a respeito do funcionamento do campus, especialmente no que se refere à disponibilização de vagas aos estudantes.

Segundo o diretor, atualmente são atendidos na unidade 1310 alunos, somando-se os cursos técnicos, superiores, de pós-graduação e de qualificação (Formação Inicial e Continuada – FIC). Deste total, 90 % são de Caçador e região.

Segundo ele, apenas nos cursos de FIC, entre 2011 e 2018 foram matriculados 3.573 alunos moradores de Caçador, sendo deste total 653 no ano passado, em 33 cursos de qualificação.

Já nos cursos FIC Pronatec foram ofertadas entre 2013 e 2016 outras 42 turmas e, a partir de 2017, cinco turmas de técnicos EAD pelo Programa MedioTec também foram oferecidas para Caçador e região.

“O IFSC Caçador atua ainda como órgão certificador e já emitiu certificado de Ensino Médio para mais de 250 moradores da cidade, seja pelo Enem ou pelo Encceja”, disse.

Sobre o sistema de seleção de alunos para os cursos superiores, Eduardo explica que se dá através do SISU e, deste modo, os alunos de todo o Brasil podem concorrer as vagas aqui ofertadas, bem como alunos de Caçador podem concorrer às vagas em outras instituições federais de ensino superior que estão localizadas em outros estados. “Apesar disso, vale ressaltar que a maior parte dos nossos alunos, mesmos dos cursos superiores, são de Caçador e região”.

Questionado sobre o número de caçadorenses na fila de espera, o diretor destacou que dos cursos ofertados no primeiro semestre de 2019, todos os candidatos inscritos para o Ensino Superior foram chamados, sendo ainda abertas vagas remanescentes. “Todas as vagas, exceto as dos cursos superiores que são acessadas pelo SISU, são ofertadas através de sorteio público, executado eletronicamente e sem a gerência de qualquer servidor. Acreditamos que esta é a forma mais adequada para atingirmos a nossa missão institucional, que visa promover a inclusão e formar cidadãos”, esclareceu.

Autora da propositura, a Vereadora Sirley Ceccatto agradeceu a presença do diretor e das dezenas de alunos que prestigiaram a sessão, destacando que o objetivo principal do pedido foi esclarecer a forma do ingresso dos estudantes, especialmente do Ensino Médio, o qual, ao seu ver, deveria ser oferecido após a realização de provas ou similares ou invés de sorteio público, uma vez que pode comprometer o acesso de alunos que se dedicam ao estudo e acabam não sendo comtemplados.

Esclareceu ainda que em momento algum colocou em dúvida as atividades da instituição, sua equipe técnica ou a qualidade do ensino, mas que o documento serve para que os vereadores, legítimos representantes da população, possam estar atentos ao desenvolver da comunidade.

A palavra também foi utilizada pelo Vereador Marcos Creminácio (PDT), que lembrou do engajamento da comunidade local, classe política e entidades representativas para a instalação do Instituto em Caçador. “No entanto, esperávamos mais do IFSC, especialmente cursos que não fossem apenas para formar mão de obra barata para alguns segmentos empresariais da cidade. Lutamos para que o Instituto fosse instalado aqui, sabemos das limitações, mas continuamos esperando mais do IFSC”, declarou. 

Falta dialogo

Repercutiu bem a crítica que o deputado estadual Valdir Cobalchini (MDB) fez sobre a administração do governador Carlos Moisés (PSL) na tribuna da Assembleia Legislativa. Cobalchini afirmou que o governo está promovendo mudanças em vários setores, como a gerencias regionais da saúde e da educação sem debater. “Nós ficamos sabendo das mudanças através do Diário Oficial”. O governador Carlos Moisés reclamou para alguns deputados esta semana que está magoado com algumas críticas que vem recebendo na Alesc. Entre elas, a declaração do deputado Valdir Cobalchini (MDB), que reclamou da falta de diálogo.

Falta dialogo 1

Na questão do fechamento das gerencias regionais de saúde e das regionais da Celesc, creio que falta bom censo e experiência administrativa para este governo. A proposta é fechar as gerencias para economizar, até aí tudo bem. Mas de que forma será suprida a falta do serviço, com um atendimento online, um funcionário de plantão, a cada chamado os funcionários irão se deslocar das gerencias que sobraram. Dependendo da nova forma de trabalho, o custo do serviço pode ficar até maior. A não ser que o governador coloque em pratica uma superserviço de transporte de mercadorias e prestação de serviços. Do contrário as prefeituras ficarão como baratas tontas correndo atrás dos atendimentos do estado e o cidadão...

Novas salas

O vereador Marcos Creminácio (PDT) disse que não vai fazer isso por escrito, por enquanto, mas afirmou que fez um levantamento minucioso do histórico da empresa que está realizando as obras de ampliação das salas de aula, a WDD, de Nova Trento, e observou que a empresa não é muito cumpridora dos prazos e tem problemas com o Ministério Público em outros municípios. O vereador também cobrou uma atenção especial dos funcionários da prefeitura que farão a fiscalização das obras.

Salários na Udesc

Foi aprovado requerimento do deputado estadual Kennedy Nunes (PSD) solicitando que a Comissão de Finanças realize uma reunião para averiguar se servidores da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) estão realmente recebendo salários acima do teto do funcionalismo estadual. Para tanto, serão convidados representantes da reitoria da universidade e da Secretaria de Estado da Administração. A data do evento ainda será fixada.

Osni Ribeiro Mello

Olá, eu sou Osni Ribeiro Mello, jornalista, administrador de empresas e Engenheiro Civil. Depois de ter passado pelos jornais: Gazeta Sul, Folha da Cidade e Informe e por todas as editorias. Atividades que consumiram 15 anos de minha vida e me deram muita experiência, resolvi que muito mais que dar a notícia eu apontaria os erros e as soluções. Pronto, virei colunista e instantaneamente odiado por escrever demais. De qualquer forma o portal www.diarioriodopeixe.com.br e o Jornal Extra resolveram apostar numa coluna de informações políticas e aqui estou tentando consertar o mundo e levando as notícias com uma pitada de humor e senso critico. Também mantenho o osnirmello.blogspot.com.br, blog onde divulgo as ideias que podem mudar o nosso mundo, ou não.

Espalhe essa coluna:

© 2011 - 2019. Todos os direito reservados a Editora Rio do Peixe.