Youtube Twitter Facebook Instagram

Domingo - 17.02.2019

Céu encoberto com pancadas de chuva a partir da tarde


MÍNIMA: 14º - MÁXIMA: 24º

Diário Rio do Peixe

Domingo - 17.02.2019

Céu encoberto com pancadas de chuva a partir da tarde


MÍNIMA: 14º - MÁXIMA: 24º

Colunistas

O incêndio ocorre onde a prevenção falha

PENSATA Os políticos em geral têm demonstrado imensa preocupação com a segurança pública, mas o que tem matado é a falta de extintor

10/02/2019 - 11:04:41
Osni Ribeiro Mello

O incêndio ocorre onde a prevenção falha

No Corpo de Bombeiros existe uma máxima: “O incêndio ocorre onde a prevenção falha”. O princípio pode ser utilizado para o incêndio do Centro de Treinamento do Flamengo, que fez vítima sete meninos e três funcionários. Mas também serve para a catástrofe de Brumadinho, onde ainda se contam os mortos.

Desde a tragédia da Boate Kiss, incêndio que fez vítima 242 pessoas e feriu outras 680 pessoas, no dia 27 de janeiro de 2013, o estado brasileiro endureceu a regras de segurança contra incêndio para estabelecimentos comerciais e residências multifamiliares.

Um tremendo avanço se considerarmos que de maneira geral o brasileiro é pouco chegado a gastar com segurança e prevenção. Razão pela qual ainda acontecem tragédias como a desta sexta-feira (8) no Rio de Janeiro.

Ocorre que os equipamentos de prevenção, apesar de representarem menos de 5% do custo da obra, ainda são vistos como uma exigência do estado e não como uma segurança para as pessoas que trabalham ou habitam os edifícios.

Como de costume, a nossa cultura prevencionista foi sequestrada pelo estado como uma forma de arrecadar verbas, a pretexto de manter os mecanismos de segurança. Assim, o assunto segurança passou a ser tratado pelo cidadão como mais um imposto e muita gente esquece que a razão da sua existência é a proteção.

Talvez o assunto precise de um olhar diferente, pois cinco anos após a tragédia de Santa Maria ainda somos assombrados pela prevenção que falhou.

Numa sociedade que está prestes a “afrouxar” as leis para que o cidadão tenha a posse de uma arma para proteger a sua vida, é um contrassenso que a instalação de extintores, placas de segurança, iluminação de incêndio, detectores de fumaça... sejam tratados como exigência do estado.

Acidentes com fogo também matam e não faz sentido a pessoa ter uma arma que custa R$ 3 mil ou R$ 4 mil, e economizar na compra de um extintor que não chega a R$ 200,00.

Para que esta mudança aconteça a administração pública, em todas as esferas, precisa abrir mão de parte do seu “lucro” com as taxas cobradas para fazer campanhas de conscientização e mais, precisa reduzir os valores destas taxas para o cidadão, para que ele gaste com o que é necessário: os equipamentos de prevenção.

Afinal, quanto mais prevenção existir, menos o Corpo de Bombeiros será acionado.  

Solenidade de Outorga de Grau na UNIARP

A UNIARP realizou nesta sexta-feira (8) solenidade de Formatura Institucional com a Outorga de Grau para 160 formandos. Participaram do ato, o advogado Neoberto Geraldo Balestrin, presidente da Fundação UNIARP e o professor Pós-Dr. Anderson Antonio Mattos Martins, reitor da UNIARP, junto com coordenadores de cursos. A cerimônia institucional de colação de grau da UNIARP é completa e sem nenhum custo ao formando, com exceção da cobertura fotográfica, feito por empresa especializada. A Solenidade de Colação de Grau é um momento de magnitude da Instituição, quando dirigentes, professores, funcionários, pais e alunos externam seus sentimentos para provar que a missão de ensinar foi cumprida e o esforço valeu a pena. A UNIARP parabeniza todos formados pela sábia e valorosa decisão de abraçar os estudos e alcançar o diploma de graduação superior.

In vino veritas

Para o deputado Ivan Naatz (PV) o governador precisa cortar o cafezinho dos servidores, mas não pode esquecer de cortar o vinho que é servido no Palácio da Agronômica. A crítica veio depois que fotos do jantar com os deputados do PSL, regado a muito vinho, foram postadas nas redes sociais pelos próprios políticos.

Seis frentes

Na primeira semana de atividades da nova legislatura do Parlamento catarinense, os deputados estaduais solicitaram a criação de seis frentes parlamentares com o objetivo de tratar de assuntos nas áreas da infraestrutura viária, economia, saúde e serviço público. Conforme determina o Regimento Interno na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, as frentes têm como objetivo apoiar, incentivar e assistir estudos de temas de interesse social, político e econômico. Para serem formadas, precisam contar com o apoio de pelo menos quatro deputados.

Infraestrutura

Na área da infraestrutura viária, 10 deputados solicitaram a criação da Frente Parlamentar em Defesa das Rodovias do Grande Oeste. O objetivo é tratar da situação das rodovias estaduais e federais da região. Nesta semana, o assunto foi abordado por vários deputados na tribuna da Assembleia. A frente será coordenada pelo deputado Altair Silva (PP) e conta com a participação de Neodi Saretta (PT), Bruno Souza (PSB), Padre Pedro Baldissera (PT), Mauricio Eskudlark (PR), Moacir Sopelsa (MDB), Luciane Carminatti (PT), Nilso Berlanda (PR), João Amin (PP) e Valdir Cobalchini (MDB).

Três blocos

Dois partidos e quatro blocos vão atuar na Alesc. Decidiram atuar sozinhos o PT e o MDB, os demais partidos estarão agrupados em três blocos partidários. O Bloco Social Democrático é composto pelo PSDB, PSD, PDT, PSC e terá 10 deputados. Em seguida, com nove integrantes, está o Bloco Liberal Social, formado pelo PSL e o PR. Outros quatro partidos com representação na Casa – PP, PSB, PRB e PV – formaram um terceiro bloco parlamentar, com oito deputados.

Turismo

O turismo também terá uma frente parlamentar. O objetivo do grupo é estruturar melhor esse ramo da economia catarinense, com a implementação de mecanismos de cooperação entre o poder público e o setor privado, a realização de encontros, simpósios, seminários, congressos, debates e outros eventos sobre o turismo, entre outras ações. A frente será coordenada pelo deputado Ismael dos Santos (PSD) e conta com a participação da deputada Paulinha (PDT), Rodrigo Minotto (PDT), Marlene Fengler (PSD) e Kennedy Nunes (PSD).

Frente da saúde

A saúde e o serviço público também terão frentes parlamentares na nova legislatura. Coordenada por Ismael dos Santos, a Frente Parlamentar em Defesa da Saúde dos Catarinenses quer tratar de um assunto recorrente na Alesc. Assinam o requerimento para a formação do grupo os deputados Kennedy Nunes, Rodrigo Minotto, Marlene Fengler e Paulinha. A deputada Paulinha vai coordenar a Frente Parlamentar pela Inovação no Serviço Público. O objetivo é melhorar a qualidade e defender o serviço público estadual, além de apoiar os servidores. Integram a frente Fernando Krelling (MDB), Mauricio Eskudlark e Rodrigo Minotto.

Osni Ribeiro Mello

Olá, eu sou Osni Ribeiro Mello, jornalista, administrador de empresas e Engenheiro Civil. Depois de ter passado pelos jornais: Gazeta Sul, Folha da Cidade e Informe e por todas as editorias. Atividades que consumiram 15 anos de minha vida e me deram muita experiência, resolvi que muito mais que dar a notícia eu apontaria os erros e as soluções. Pronto, virei colunista e instantaneamente odiado por escrever demais. De qualquer forma o portal www.diarioriodopeixe.com.br e o Jornal Extra resolveram apostar numa coluna de informações políticas e aqui estou tentando consertar o mundo e levando as notícias com uma pitada de humor e senso critico. Também mantenho o osnirmello.blogspot.com.br, blog onde divulgo as ideias que podem mudar o nosso mundo, ou não.

Espalhe essa coluna:

© 2011 - 2019. Todos os direito reservados a Editora Rio do Peixe.