Youtube Twitter Facebook Instagram

Terça-Feira - 19.03.2019

Início do Outono às 18h58min (Hemisfério Sul)


MÍNIMA: 16º - MÁXIMA: 26º

Diário Rio do Peixe

Terça-Feira - 19.03.2019

Início do Outono às 18h58min (Hemisfério Sul)


MÍNIMA: 16º - MÁXIMA: 26º

Colunistas

Santa Catarina registra recorde na exportação de soja

PENSATA GARAGEM DO QUEIROZ Novos, Usados e Consignação. Pagamento facilitado, com desconto em folha

02/01/2019 - 20:20:22
Osni Ribeiro Mello

O complexo soja já responde por 12,6% do faturamento catarinense com as exportações em 2018 – com um aumento de 43% em relação ao último ano. De janeiro a novembro, os embarques do produto passam de US$1 bilhão.

A verdade é que quase toda produção catarinense de soja está destinada à exportação – 91,2% da última safra foi para o mercado internacional. Este ano, Santa Catarina colheu 2,4 milhões de toneladas do grão e 2,19 milhões de toneladas foram exportadas, um aumento de 19% em relação a 2017.

Nos últimos três anos, as exportações catarinenses de soja, considerando apenas o grão, aumentaram 36%, passando de 1,61 milhões de toneladas em 2016 para 2,19 milhões de toneladas neste ano, com faturamento de US$ 813,6 milhões. Os principais destinos das exportações são China (mais de 90% do total), Irã, Tailândia e Holanda. Os números foram divulgados pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa).

SAFRA 2018/19 - Santa Catarina espera uma safra de 2,45 milhões de toneladas em 666,3 mil hectares. A produtividade das lavouras catarinenses deve aumentar 2,5% e chegar a 3,7 toneladas por hectare.

Os produtores catarinenses acabaram investindo na produção de milho e o estado terá uma redução de 2,6% na área plantada de soja. O milho deverá ampliar em 7,5% a área cultivada em Santa Catarina. As regiões de Xanxerê, Canoinhas e Curitibanos, incluindo Campos Novos, constituem os maiores produtores de soja em Santa Catarina, somando 388 mil hectares, mais de 58% da área cultivada do estado.

Presidente prestigia tecnologia brasileira

É reconfortante saber que você está sob o comando de um presidente que conhece o seu país. De que outra forma podemos explicar o anúncio do presidente Jair Bolsonaro (PSL) de que enviará em janeiro, ao Oriente Médio, o futuro ministro da Ciência e Tecnologia Marcos Pontes para conhecer o projeto de dessalinização de Israel e implementar a técnica para irrigar a agricultura familiar da região Nordeste usando água de poços.

A iniciativa seria muito interessante se não estivesse em funcionamento no Brasil, há mais de 15 anos, sistemas de dessalinização no semiárido nordestino utilizando técnicas adaptadas para a realidade local brasileira, com tecnologia nacional chancelada pela Embrapa.

Somente na gestão do ex-presidente Lula, o programa Água Doce, instalou 575 dessalinizadores em sete estados nordestinos, dos quais 540 estão em funcionamento beneficiando diretamente 216 mil pessoas.

E não é somente isso que Bolsonaro desconhece. Em Israel, 97% da água que abastece a agricultura irrigada tem origem em esgoto tratado e água de reuso. E por um motivo muito simples: O custo da operação para dessalinizar 1m³ de água para usar na irrigação custaria, em média, 1 dólar. Será que o Bolsonaro sabe quanta água é necessário para irrigar um hectare de lavoura por um ciclo produtivo. Numa conta bem básica, tomando como base a cultura do milho, cheguei a uma conta de US$ 25 mil por hectare, na cotação atual R$ 97.750,00 reais.

Difícil engolir

Esta história do ex-motorista dos Bolsonaros, Fabrício Queiroz, é como se diz no jargão popular: difícil de engolir. Primeiro o cara some, mas diz que estava doente. Quando aparece, em vez de dar explicações para o Ministério Público (MP), órgão que os seus chefes juram proteger, dá uma entrevista para a rede de TV SBT. Nada contra, mas o seu proprietário, Silvio Santos, não escondeu de ninguém a preferência pelo clã Bolsonaro.    

Difícil engolir 1

Mas a melhor parte da história vem agora. De acordo com Queiroz parte da movimentação atípica vem da venda de veículos usados. Pelo jeito elo só vendia carros para os funcionários do seu ex-chefe Flavio Bolsonaro (PSL), pois os depósitos são todos de funcionários e ex-funcionários. Mas a grande questão é a seguinte: Se Queiroz negociava carros, por que diabos o presidente Jair Bolsonaro (PSL) emprestou R$ 40 mil para ele comprar um veículo e o dinheiro do pagamento – R$ 24 mil - foi depositado na conta da primeira dama Michelle Bolsonaro. Esta “estória” tem tudo para ferrar o Queiroz e todos ligados a ela.

Inimigos do povo

Gostaria de iniciar este ano dizendo que fico muito envaidecido pelo novo presidente afirmar que nos jornalistas somos inimigos do povo. Se ser inimigo do povo é continuar expondo a corrupção dos políticos, minha missão nem começou.

PRODEC

O Programa de Desenvolvimento da Empresa Catarinense (Prodec), por meio de incentivos fiscais, estimula a implantação ou expansão de empreendimentos industriais que aumentem a geração de emprego e renda. Em 2018, o Prodec aprovou a concessão do benefício para sete empresas, em um total de aproximadamente R$ 485.038.816,00 em investimentos previstos, gerando 1.901 empregos diretos nos municípios de Anita Garibaldi, Lages, Jaraguá do Sul, Blumenau, Joinville, Mafra, Guaraciaba, Guabiruba e Timbó.

Assumindo

O advogado Rafael Horn assume a presidência da OAB catarinense das mãos de Paulo Brincas no dia 1° de janeiro de 2019, mas a solenidade de posse será em fevereiro, depois que recomeçarem os trabalhos no Judiciário e a atividade dos operadores de direito voltar ao normal.

Sinapse da Inovação

Idealizado pela Fundação CERTI, promovido pelo Governo de Santa Catarina por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação (Fapesc), o Sinpase da Inovação busca transformar ideias inovadoras em negócios de sucesso. Em 2018, o programa completou 10 anos em SC, e cerca de 30 mil cidadãos aplicaram cerca de nove mil ideias ao programa até sua última edição. Desde seu surgimento, gerou quase 500 empresas e 151 patentes, foi implantado no Amazonas, Espírito Santo e no Paraná, e também inspirou um programa federal, o Centelha, igualmente voltado a fomentar o empreendedorismo inovador. Neste ano, foram investidos cerca de R$ 3 milhões em subvenção econômica e R$ 302 mil em bolsas pela Fapesc, totalizando R$ 3.302.000,00.

BRDE social

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), investiu cerca de R$ 1,1 milhão em recursos de renúncia fiscal em projetos culturais, sociais, esportivos e também de assistência a pacientes com câncer e portadores de necessidades especiais de Santa Catarina em 2018. De 2012 a 2017, o Banco aportou mais de R$ 5,5 milhões em projetos autorizados a captar recursos por meio de Leis de Incentivo Fiscais no Estado. Em toda a região Sul, no mesmo período, foram aplicados mais de R$ 18,9 milhões. Este ano, a comissão de avaliação recebeu e analisou 213 propostas de apoio em Santa Catarina. Destas, foram selecionadas 26, sendo 14 pela Lei Rouanet, três pelo Fundo da Infância e Adolescência, quatro pelo Fundo Municipal do Idoso, cinco pela Lei do Esporte e um projeto pelo PRONON e um projeto pelo PRONAS.

Osni Ribeiro Mello

Olá, eu sou Osni Ribeiro Mello, jornalista, administrador de empresas e Engenheiro Civil. Depois de ter passado pelos jornais: Gazeta Sul, Folha da Cidade e Informe e por todas as editorias. Atividades que consumiram 15 anos de minha vida e me deram muita experiência, resolvi que muito mais que dar a notícia eu apontaria os erros e as soluções. Pronto, virei colunista e instantaneamente odiado por escrever demais. De qualquer forma o portal www.diarioriodopeixe.com.br e o Jornal Extra resolveram apostar numa coluna de informações políticas e aqui estou tentando consertar o mundo e levando as notícias com uma pitada de humor e senso critico. Também mantenho o osnirmello.blogspot.com.br, blog onde divulgo as ideias que podem mudar o nosso mundo, ou não.

Espalhe essa coluna:

© 2011 - 2019. Todos os direito reservados a Editora Rio do Peixe.