Youtube Twitter Facebook Instagram

Sexta-Feira - 17.08.2018

Noite: Céu estrelado Madrugada: Céu estrelado Manhã: Ensolarado


MÍNIMA: 8º - MÁXIMA: 21º

Diário Rio do Peixe

Sexta-Feira - 17.08.2018

Noite: Céu estrelado Madrugada: Céu estrelado Manhã: Ensolarado


MÍNIMA: 8º - MÁXIMA: 21º

Colunistas

A IMPORTÂNCIA DOS PÁSSAROS NA RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

Quem é do Sul, já deve ter ouvido falar que a gralha azul “planta” pinheiros por onde passa

25/07/2018 - 23:22:19
Charles Seidel

Este texto visa discutir qual a real importância dos pássaros para a preservação das matas e na recomposição de sistemas florestais degradados, que pode ser aplicado juntamente com outros métodos de recomposição. Quem é do Sul, já deve ter ouvido falar que a gralha azul “planta” pinheiros por onde passa.

Ou que o sabiá, azulão, pombas semeiam pitangas, araçás, arroeiras e guavirovas.

Originalmente, as florestas tropicais possuíam 15 milhões de quilômetros quadrados, hoje se estende por nove milhões, que corresponde a apenas 7% da superfície do globo. Nestas estão contidas cerca de 50% das espécies nativas. Em razão da diversidade e complexidade das matas tropicais, é fundamental o uso de conceitos e modelos específicos, os quais são apresentados e discutidos com a finalidade de apoiar iniciativas e ações de revegetação de áreas degradadas. A floresta tropical é extremamente complexa e sua dinâmica está fundamentada na interação planta x animal. Um dos temas centrais do manejo da vida silvestre é entender como a fauna, principalmente a avifauna (população de pássaros) influencia as populações vegetais. A interação entre plantas e animais é essencial para a diversidade genética dentro das populações de espécies arbóreas tropicais, pois promove a manutenção das diversas espécies de plantas nos ecossistemas através do fluxo gênico que ocorre com a polinização e dispersão de sementes.

Em todo o mundo, entre 45 e 90% das espécies de árvores produzem frutos adaptados para o consumo e dispersão das sementes por aves e mamíferos. Este fato é bastante relevante na evolução e manutenção dessas árvores, principalmente em florestas tropicais. Dentre as vantagens desse processo há o distanciamento das sementes dos arredores da planta-mãe, onde há uma intensa predação das sementes por animais granívoros e herbívoros, e a colonização de clareiras e áreas degradadas, maximizando a ocupação de novos sítios.

A disseminação de semente pode ser feita pelo vento (anemocórica) ou por animais (zoocórica). Nesta última, temos a ornitocoria, que é uma dispersão zoocórica em que as aves realizam a disseminação das sementes. Esta dispersão tem suas subdivisões, considerando se os propágulos são carregados no exterior do corpo (EX:carrapichos), acidentalmente, ou no interior do corpo das aves .

As aves frugívoras são muito importantes na recuperação de áreas degradadas.  Quer seja por pastagens,  mineração,  desmatamento e até de reflorestamentos. As aves depositam as sementes de espécies nativas em áreas antrópicas, contribuindo para o processo de recomposição vegetal. Como as aves possuem a capacidade de voar e deslocamento rápido, conseguem percorrer grandes distâncias em curto espaço de tempo e dispersar sementes em sítios distantes da planta-mãe. Essas distâncias podem ser por apenas alguns metros ou por mais de 1000 km.

Existem algumas espécies, como a erva-mate, que precisam passar pelo trato digestivo das aves para quebrar sua dormência e poder germinar.

Uma das técnicas muito utilizada em Projetos de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD´s) são os “poleiros”, que podem ser artificias, ou mesmo naturais. Consiste em deixar algumas árvores  ou mesmo construir estruturas que permitam aos pássaros pousarem e realizarem ali a dispersão das sementes.

Fonte: http://www.painelflorestal.com.br/noticias/lado-b/uso-de-poleiros-artificiais-para-a-dispersao-de-sementes-e-na-restauracao-floresta

Em trabalhos realizados, a média de sementes com presença de poleiro artificial foi de 7,4  sementes/m²/mês, enquanto na ausência de poleiro artificial, a média foi de foi de 1,7 sementes/m²/mês, considerando simultaneamente sementes anemocóricas e zoocóricas. Diferentes distâncias da borda da floresta, até 35 m, não influenciaram no aporte de sementes zoocóricas e anemocóricas.

FONTE:  https://jmrobledo.aminus3.com/image/2007-01-28.html

Essas técnicas de poleiros, associadas com técnicas de isolamento, de transposição de solos, e mesmo o plantio de mudas, é muito mais efetiva para a recuperação de áreas.

Concluindo, sabemos que em todo o planeta, temos diversas aves importantes no  processo de manutenção e recuperação das florestas. Então, fora outros diversos motivos, lembrem que temos que preservar os pássaros, que diariamente estão garantindo a  reprodução das plantas, dos ecossistemas, e consequentemente a manutenção da vida. Portanto, aos caçadores de plantão, não custa lembrar que os pássaros e animais silvestres - vistos por eles apenas como “destruidores”-  tem importante função na preservação e recuperação do meio ambiente.

Charles Seidel

Eng. Agrônomo, Prof. Universitário. M.Sc. Engª Agrícola. Gestão da água, climatologia e agroeocologia

Espalhe essa coluna:

© 2011 - 2018. Todos os direito reservados a Editora Rio do Peixe.